Crise aumenta o número de mendigos e até executivos viram sem tetos

0
35

Vilmar Mendonça foi gerente de Recursos Humanos de várias empresas, mas há um ano e meio mora nas ruas do Rio de Janeiro, junto a milhares de vítimas da crise da Cidade Maravilhosa.


Mendonça perdeu seu emprego em 2015. Conseguiu se manter com suas economias por algum tempo, mas ficou sem dinheiro para pagar o aluguel.

Hoje, aos 58 anos, ele dorme em um banco em frente ao aeroporto Santos Dumont, deixa alguns pertences em uma agência bancária da qual é cliente, faz sua higiene em banheiros públicos e sobrevive da comida distribuída por ONGs.


“É uma situação terrível para mim, mas não tenho outra alternativa”, diz este ex-executivo, magro, divorciado e sem filhos, natural de Itajaí (Santa Catarina), enquanto analisa ofertas de trabalho em seu computador graças ao Wi-Fi do aeroporto.

Com camisa social e tênis moderno, Mendonça não aparenta ser um dos milhares de sem-teto da cidade, de seis milhões de habitantes.

Mauro Pimentel/ AFP

Vilmar Mendonça foi gerente de Recursos Humanos de várias empresas e hoje vive nas ruas do Rio

No final de 2016, a prefeitura do Rio registrava 14.279 pessoas em situação de rua, o triplo que em 2013.

Setenta deles têm nível superior, como Mendonça, que se formou em administração de empresas em São Paulo e trabalhou para a subsidiária de uma multinacional.


Sua situação reflete a gravidade de uma recessão que deixou 13,5 milhões de desempregados, assim como a realidade de uma cidade que há apenas um ano inaugurava com pompa os Jogos Olímpicos.

Mendonça fala da dificuldade de procurar e de conseguir ajuda em um momento como esse. Como muitos, ele não contou sua situação a quase ninguém.

“Quando você está em uma situação assim, ninguém quer estar perto de você”, comenta.

Apesar de tudo, ele acredita que isso é algo passageiro e se esforça para não deixar a peteca cair.

Durante o dia, faz exercícios físicos, lê em cafés e livrarias, escreve em seu perfil no Facebook – onde aparece de terno e gravata – e vai a entrevistas de trabalho, nas quais concorre com centenas de candidatos mais jovens que ele.

À noite, coloca roupas simples e um boné para passar despercebido, enquanto se cobre, deitado no banco, perto das câmeras de segurança do aeroporto.

“Eu procuro ficar isolado, até para não perder o foco da minha subsistência, porque se eu me juntar com outras pessoas posso conviver com coisas que não quero, como drogas ou sujeira”, afirma.

Continue lendo no UOL

Leia também: O fim do mundo chegou ao Brasil com as medidas de recessão

Falandoverdades

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here